Sexta-feira, 6 de Maio de 2005

Capitão Gancheta e o Barco Roubado – PARTE II





O mar estava bravo, o que dificultou a viagem. As ondas mediam cerca de seis a sete metros. Eu e o Capitão vimo-nos em apuros para vencer aquelas ondas que ameaçavam tirar-nos o barco e ainda a vida. Elas pareciam gigantes em fúria. E assim se passaram dois tenebrosos dias sem que conseguíssemos tomar o rumo para as Berlengas.

O capitão estava sereno, enquanto eu corria de um lado para o outro à procura de tábuas que se tivessem soltado durante a tempestade. Foi então que ele cortou o silêncio:

“- Meu rapaz não precisas de procurar mais, pois aquela tempestade não causou nenhum dano ao meu navio”.

“- Mas...mas....! Como pode ter tanta certeza?” perguntei eu, incrédulo.

“- Eu vivo no mar há muitos anos. Este barco é a minha casa. Com ele roubei, chorei e festejei. E quanto ao mar, ele é a minha morada. É como se estivéssemos casados, compreendes? Sei o que ele quer e por o conhecer tão bem é que arranjei este navio. Eu sem o mar e o meu navio sou como um mar sem água, como um céu sem estrelas, como uma flor sem pétalas.”

Dizendo isto foi para o seu quarto, deixando-me sozinho a pensar no que dissera.

Chegámos por fim ao porto das Berlengas, estafados. Atracámos o barco e saímos.

Fomos almoçar a um pequeno restaurante, onde provámos inúmeras coisas boas, tais como pimenta, açúcar e um óptimo vinho daquela região. Saímos do restaurante e fomos visitar o Olho-de-Tigre.

Passámos por muitos monumentos altos e majestosos que eram cobertos por azulejos de cor azulada e branca. Aquele local era magnífico e de uma beleza descomunal.

Foi então que chegámos à mansão do Olho-de-Tigre. Era um casarão antigo, também ele com azulejos de cor branca e azul que pareciam as ondas a rebentarem nas rochas salientes da baía.

Não fomos recebidos com grande hospitalidade, mas já o esperávamos.

Entrámos em sua casa e, para nosso espanto, verificámos que estava cheia de convidados que falavam entre si sem repararem em nós.

Estávamos agora numa sala espaçosa cheia de cadeirões e móveis antigos. Houve uma coisa que me chamou a atenção. Era um quadro de mulher, jovem, por volta dos 23 anos, sentada numa poltrona. Usava um longo vestido cor-de-rosa que lhe cobria os pés. Pareceu-me familiar e aproximei-me lentamente. Foi então que confirmei as minhas expectativas. Era linda, o seu rosto era branco como a espuma das ondas, o seu nariz perfeito e os seus olhos de um verde lindo cor primaveril. Tinha um longo cabelo que lhe chegava à cintura, muito brilhante e com aspecto saudável. Foi então que me apercebi que aquele quadro tinha sido pintado recentemente, pois a data inscrita era de 16/02/1830, só tinha um mês. Pensei quão belo seria ter tido a oportunidade de a conhecer pessoalmente, mas o meu pensamento foi interrompido. Senti uma mão no meu ombro e gelei; pensava que era ela, mas uma voz semi roca fez-me virar a cabeça, era o capitão Gancheta, olhou-me, olhou o quadro e inquiriu:

“- É bela não é?”
“- Sim, “-respondi eu a medo. E tive a resposta que não queria ouvir:

“-Ela é casada com o Olho-de-Tigre. Não penses nela, pois antes de a conseguires tocar, já estarás morto. Olho-de-tigre descobrir-te-ia e serias torturado.”

Fiquei de rastos, mas não quis dar o braço a torcer:

“-Eu só a acho bonita...”

“-Não precisas de mentir. Eu conheço-te…”

Foi então que o Olho-de-Tigre apareceu na sala. Era um homem já com 70 anos. O seu cabelo preto mal se via misturado com o branco, tinha bigode farto e a sua barba devia ter uns sete dias, porque estava enorme. Usava umas calças castanhas e uma capa negra. Convidou-nos para sentar e mandou que nos servissem umas cervejas.

Falámos um pouco das nossas aventuras, mas passado um bocado ele perguntou-nos:

“- Então o que vos trouxe cá? Com certeza não foi para beber cerveja e conversar “ – disse ele.

Eu e o capitão fintámo-nos. Nós sabíamos que não podíamos, nem queríamos, adiar isto eternamente, e então o capitão respondeu:

“-Bom, nós viemos cá para te perguntar uma coisa. Julgo que não sou o primeiro perguntar-te isto...

“-Vá homem, desembucha” – disse ele impacientando-se.

“-O que nós queremos saber é onde está o diamante.”– disse por fim o meu capitão.

Olho-de-tigre levantou-se e foi à janela. Fez-se um pesado silêncio. Nem eu nem o capitão nos atrevemos a quebrá-lo. Por fim, o Olho-de-Tigre disse:

“-Para que queres tu saber do diamante? –perguntou ele com cara de poucos amigos.

“- Ora, sabes muito bem porquê!”

Seguiu-se outra pausa feita pelo Olho-de-Tigre para pensar, sabe-se lá em quê...

Olho-de-tigre sabia onde estava o diamante e também sabia que era muito difícil lá chegar. Era preciso ter um barco muito resistente, para enfrentar as fortes correntes marítimas e os ventos adversos. Ou então... O silêncio quebrou-se.

“-Só há uma maneira de chegar ao diamante, sabes como capitão? Claro que sabes!...Há...Há... Há... Com um barco amaldiçoado. Como o teu, não é capitão Gancheta?”

Olho-de-tigre sabia que, em tempos, o nosso barco tinha pertencido ao maior pirata de todos os tempos, capitão Barba Ruiva. Havia uma lenda segundo a qual, qualquer coisa que fosse roubada ao Barba Ruiva ficaria amaldiçoada. Não conhecendo a lenda, o capitão Gancheta, abalroou com êxito o barco do Barba Ruiva e ficou com ele.

“-Sim... claro que sim! Mas onde está o diamante? Perguntou de novo o capitão Gancheta.”
“-Na Baía dos Porcos “– respondeu Olho-de-Tigre. Na pequena gruta por detrás das rochas há uma entrada que vos conduzirá ao diamante.

Eu olhei o capitão e, ao ver a sua cara de felicidade, exclamei:

“-Vamos, capitão! O tesouro espera-nos.

“-Não... hoje não... está a escurecer, partam só amanhã.

O capitão respondeu:

“-Sim, tens razão Olho-de-Tigre. Aproveitamos para descansar um pouco e partimos de madrugada.

Olho-de-tigre chamou as criadas e mandou que nos arranjassem dois quartos e preparassem o jantar. Pouco depois fomos para a mesa e eis que se senta à minha frente a mulher do quadro. Fiquei petrificado! Até que, Olho-de-tigre gritou:

“-Sirvam o jantar! “

O jantar decorreu sem grandes falas. O meu olhar esteve sempre virado para aquela mulher que mais me lembrava uma deusa. Por instantes ela olhou para mim, e corou, apercebendo-se que não conseguia parar de a admirar.

Depois do jantar, o capitão gancheta foi com o Olho-de-Tigre para a sala. Mas antes ocorreu um estranho acontecimento. O Olho-de-Tigre mandou chamar o seu capataz e segredou-lhe qualquer coisa ao ouvido. Depois, disse-me qualquer coisa que eu não entendi muito bem. Mas, pouco tempo depois, o capataz retirou-se e eles seguiram para a sala. Enquanto eles se dirigiam para a sala eu fui lavar as mãos. No caminho para a casa de banho, ouvi alguém a chorar na cozinha e fui lá ver. Então, para meu espanto, vi a mulher do retrato a chorar. Fui ter com ela que, entre dois bocejos, pediu-me:

“-Ajude-me!!!

“-Mas, o que aconteceu? – perguntei eu.

“-É o meu marido. Eu não consigo mais viver com ele!

Eu não sabia o que lhe dizer para a reconfortar e foi então que a abracei. Conversámos durante muito tempo, e combinamos que, na manhã seguinte, ela vinha connosco buscar o diamante e depois seguíamos viagem. Nós não contávamos era com o que estava para vir…

De manhã, quando nos preparávamos para sair, o barco não estava lá. Ficámos boquiabertos e sem saber o que pensar. Demos voltas e voltas à cabeça mas não conseguíamos encontrar uma solução para o nosso enigma.

Foi então que eu me lembrei de ir perguntar aos pescadores. Eles disseram que, de madrugada, tinham visto a Celestina (era como se chamava a mulher do retrato) com o Olho-de-Tigre. Pensei que ele tinha roubado o barco e que a tinha raptado, mas a minha ideia caiu-me aos pés quando vi o Olho-de-Tigre amarrado a uma rocha, só em roupa interior. Desamarrámo-lo e foi então que ele contou os terríveis planos de Celestina. O coração subiu-me à boca. Ele só podia estar a mentir… A Celestina parecia tão frágil e desamparada quando a vi a chorar, na cozinha. E disse em sua defesa:

“-Não!!! Não! Ela não faria isso. Nós até combinámos fugir juntos” – disse eu, para logo me arrepender. O capitão Gancheta estava incrédulo com tudo o que estava a acontecer. Olho-de-Tigre limitou-se a dizer-me com voz triste:

“-Já não é a primeira vez que ela me faz isto. Se não fossem vocês, agora já estaria morto. Podem não acreditar mas é verdade. Ela levou o vosso barco e foi à procura do diamante.

Pensei imediatamente em arranjar outro barco e, olhando para o capitão, pude ver a sua cara que agora estava vermelha como um tomate, de tanta raiva acumulada.

“- Há alguma coisa que possa fazer para vos ajudar? “– perguntou Olho-de-Tigre.

“- Claro que há! Empreste-nos um barco.”

“- Está bem! Eu estou em dívida para convosco. Podem levar aquele barco além, que é o mais rápido. “

E nós lá fomos… em busca da Celestina, do barco e do diamante.


Beatriz Rodrigues



Publicado por ML às 13:18
Link do post | Comenta aqui!
Imagem criada a partir de uma pintura de Kandinsky.

.pesquisar

 

.Junho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
15
16
17

19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30


.Páginas antigas

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

.Tags

. alunos

. amor

. areia

. capítulo

. coragem

. diabo

. dor

. eclipse

. encontro-me

. errante

. estranho

. falcão

. foges

. janela

. jovem

. luar

. no luar

. noite

. olhos postos no futuro

. paisagem

. pergunto

. poema

. poemas

. puzzle

. questiono

. sonhar

. sonho

. sopro

. sou eu

. vida

. vírgula

. todas as tags

.Deixa aqui a tua opinião!

.Outras Páginas Escritas por nós!

.Já nos visitaram:

blogs SAPO

.subscrever feeds